Frente de Trabalho: oportunidade que muda vidas

20 Dez 2017

Os últimos seis meses representaram um novo passo na vida da moradora do São José II, Maria Gonçalves, de 41 anos. Ela estava desempregada há três anos e abraçou a oportunidade de fazer parte da Frente de Trabalho, da Prefeitura de Campo Limpo Paulista, como um presente. "Foi uma bênção. Minha vida não estava fácil. Eu estava com 20 parcelas da CDHU atrasada, assim como contas de água e luz. Faltava o básico na minha casa."

Após o semestre de trabalho, ela diz que já acertou boa parte das parcelas da casa e demais contas. "Aos poucos fui dando um jeito nas coisas e já tenho grandes projetos de vida para quando o contrato com a Frente de Trabalho chegar ao fim. Quero apostar no negócio próprio."

Para ela, 2017 será marcado como o ano da superação, já que além do emprego novo, também conquistou o diploma da conclusão dos estudos após finalizar o terceiro ano do ensino médio por meio do Educação de Jovens e Adultos (EJA). "Comecei na primeira série e agora, felizmente, concluí os estudos. Essa é uma grande vitória. Minha vida mudou para a melhor."




Superação - Se a vida de Maria deu uma guinada em 2017 graças aos projetos da Prefeitura de Campo Limpo Paulista, a do morador do Botujuru, Jeferson Evangelista Carvalho, de 36 anos, também mudou  na fase que ele mesmo define como "resgate e renascimento".

Após se separar da companheira, perdeu a vontade de viver e ficava mais tempo nas ruas que em casa. "Fui viciado em drogas por um tempo até que a assistente social do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) me viu na rua, sabia que eu era um batalhador, e me ofereceu a oportunidade de entrar na Frente de Trabalho."

Ele estava sem emprego há mais de um ano e conta que agora a vida é outra.  "Me devolveram a vida, autoestima, vontade de aprender. Um anjo surgiu para me resgatar e eu sou muito grato." A gratidão, Jeferson demonstra no dia a dia, com empenho no trabalho. Ele começou fazendo serviços externos e agora trabalha na recepção do Fundo Social de Solidariedade, atendendo telefone.  "Se a gente não busca mudar, não adianta receber ajuda alguma. Eu persisti e venci."

Além de trabalhar na Frente, ele já se programou para aproveitar o recesso do fim de ano para fazer bicos em outras áreas, como a pintura. "Aprendi muita coisa que quero aproveitar meu tempo trabalhando."

Mais - Neste ano, a Frente de Trabalho empregou 50 pessoas e a proposta do prefeito Dr. Japim Andrade é ampliar o projeto em pelo menos 50%, abrindo assim novas oportunidades de emprego no município. "A ideia desse projeto é dar um impulso para essas pessoas conseguirem algo melhor. É uma chance de qualificação e de um novo passo rumo a uma vida melhor." Os trabalhadores participaram ao longo do ano de diversas capacitações.

Entre as pessoas que abraçaram a oportunidade em 2017 também está Antônio Olavo Bezerra, de 62 anos. "Foi uma oportunidade única. Infelizmente não está fácil encontrar emprego. A experiência está sendo muito importante. Estou me dedicando muito, com coragem e humildade", destacou.

Quem também se orgulha da história que construiu nos últimos seis meses é a moradora do Núcleo Industrial II, Katia Regina Fonseca, de 35 anos. "Hoje posso colocar comida na mesa", disse ela, que cria sozinha sete filhos. "Fiquei três anos sem trabalho. Esse ano minha vida mudou. Corri atrás, aprendi muito nos cursos. Espero que em 2018 a vida melhore ainda mais."

Já Gilberto de Azevedo, de 53 anos, que mora no Botujuru, faz da Frente de Trabalho o trampolim para voltar à profissão que sempre gostou: segurança. "O mercado está complicado e estou me dedicando muito para conseguir voltar à área. A Frente de Trabalho me dá estruturas e forças para seguir tentando. Eu estava necessitando muito dessa ajuda."


Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário